TRE-PE participa de curso para combater notícia falsa

Agência Lupa realizou treinamento para diversas unidades do Tribunal. Objetivo é preparar pessoal para a batalha contra a desinformação

TRE-PE participa de curso para combater notícia falsa

O Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) promoveu, nesta quinta-feira (14/06), um workshop sobre fact-checking (checagem de fatos), ferramenta que vem ganhando espaço nos países democráticos como uma espécie de antídoto contra a propagação de notícias falsas, comumente chamadas de fake news.

Por causa do risco de ameaçar o equilíbrio do jogo eleitoral, sobretudo quando começar o período de campanha, as notícias falsas espalhadas via redes sociais são, atualmente, uma das principais preocupações da Justiça Eleitoral em todo País.

O curso, que durou quatro horas, foi ministrado pela Agência Lupa, a maior do País no segmento de checagem de fatos. Desembargadores, Diretoria-Geral, representantes da Presidência, da Corregedoria, da Central de Denúncias, da Comissão dos Desembargadores Auxiliares, da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação (Stic), da Escola Judiciária Eleitoral (EJE), da Assessoria de Comunicação (Ascom) e do Ministério Público Eleitoral estiveram presentes na sala de treinamento do subsolo do edifício-sede. O local do curso, por sinal, foi cuidadosamente equipado pelo pessoal de treinamento da Secretaria de Gestão de Pessoas (SGP).

Durante o curso, a diretora da Agência Lupa, Cristina Tardáguila, de maneira descontraída e didática explicou o que é checagem de fatos. Os participantes tiveram acesso a conceitos como debunking, verification e o próprio fact-cheking.

Na prática, o trabalho da Lupa, que é membro da International Fact-checking Network (IFCN), consiste em verificar, através de dados oficiais, a veracidade da declaração de um político, por exemplo.

Após fazer a checagem, a Lupa classifica aquela informação como "verdadeira", "verdadeira, mas...", "ainda é cedo para dizer", "exagerado", "contraditório", "insustentável", "falso" ou "de olho".

Cristina Tardáguila também explicou como agem as pessoas que criam e propagam notícias falsas e maliciosas, os chamados de trolls. Em política, muitas vezes, o troll faz uso de robôs (bots), programas de computador que replicam inúmeras vezes mensagens para promover uma determinada pessoa ou ideia e, da mesma forma, atacar e arranhar a credibilidade de outras pessoas e ideias.

Como a questão das notícias falsas já vem sendo tratada como uma guerra, os locais onde operam trolls e bots são chamados de bunkers. O curso também mostrou de que forma esta atividade criminosa é financiada e como pode ter influenciado campanhas eleitorais em outros países.

Ainda durante o treinamento, a Lupa abordou iniciativas de combate às notícias falsas e o que empresas como Facebook e Google estão fazendo neste sentido. Recentemente, Facebook e Lupa fizeram uma parceria para tentar identificar informações que não são verdadeiras, principamente as de caráter político-eleitoral. O presidente da maior rede social do mundo, Mark Zuckerberg, já deu declarações que as eleições brasileiras, em outubro, serão de fundamental importância para o Facebook, segundo ele, mostrar ao mundo que está combatendo as chamadas fake news.

A reta final do curso foi dedicada a exercícios. Os participantes tiveram acesso a ferramentas online para identificação de notícias falsas (CrowdTangle e Buzzsumo, por exemplo) e programas, também online, para checagem de conteúdo (TinEye, Google Images, FB, TW).

Em Pernambuco, o TRE está agindo em duas frentes contra as notícias falsas. Desde março, o Tribunal veicula em suas plataformas de mídia uma campanha orientando e conscientizando as pessoas sobre o risco de se compartilhar informações falsas. O TRE também criou a Central de Denúncias (CD), que vai operar junto com Polícia Federal, Secretaria de Defesa Social (SDS) e Ministério Público Eleitoral. A CD ficará responsável em receber denúncias sobre fake news, investigar e, eventualmente, punir exemplarmente quem estiver se utilizando deste artifício para prejudicar candidatos ou instituições.

Desembargador-coordenador da CD, Stênio Neiva participou do treinamento e, ao final do evento, agradeceu a Cristina Tardáguila. Ele afirmou que o curso ofereceu instrumentos que certamente serão úteis na luta contra as notícias falsas. "Tudo isso é muito novo para nós. Estamos aqui para perguntar, para aprender e, no final das contas, aplicar este conhecimento com o objetivo de realizar uma eleição equilibrada e justa", disse o desembargador.

A servidora Télia Gaspar, da 12ª Zona Eleitoral, é a presidente da CD. Segundo ela, o treinamento ofereceu uma visão ampliada de um problema global. "Ainda assim, foi possível trazer o debate para nossa realidade. Teremos uma trabalho árduo pela frente, mas estamos nos preparando cada vez mais", afirmou.

 

 

 

Últimas notícias postadas

Recentes

Saúde no trabalho e COVID-19

O avanço da pandemia em Pernambuco tornou necessárias medidas mais rígidas de isolamento social. Os serviços do Judiciário realizados, necessariamente, de forma presencial, entretanto, foram considerados essenciais e, sendo assim, muitos colegas continuam comparecendo às unidades de trabalho.